Para reflexão.

Não faltam adjetivos para qualificar a mais pura e assombrosa verdade que nos assusta a cada novo dia. Tão certo como o sol que surge a cada manhã estão os exemplos notórios de incompetência misturados com descaso, corrupção, improbidade administrativa e falácias políticas eleitoreiras e oportunistas.

De tragédias em tragédias vamos vivendo e esperando a próxima demonstração da forca da natureza e da fraqueza humana.  De tão óbvio me torno até cansativo em explorar esse tema, mas sem a catarse absoluta da nossa inconformidade e sem a atuação social articulada e importante não há saída!

E digo desde já que nenhuma saída, ou a única saída, é simples, fácil ou possível de ser alcançada sem esforço. Considerando uma estrada em que por anos andamos no sentido errado, temos um longo caminho para recuperarmos os valores éticos que nortearão o retorno às nossas origens humanas, mas menos imperfeitas possíveis.

Até ouso dizer que nossa natureza impede de termos expectativas otimistas em relação ao nosso futuro e, por isso, não conseguimos olhar para o outro lado e percebermos que há esperança ao invés de aceitarmos que a esperança já morreu por último…

Sem reagirmos às mazelas e tragédias reais e aos discursos poéticos políticos com os quais não deveria nem haver cobertura jornalística senão pelo fato de informações sem fontes são menos confiáveis.  Enchem ruas, desabam morros, caem barreiras, barracos pegam fogo, aviões pousam nas ruas que irresponsavelmente circundam aquilo que um dia foi um aeroporto. Desviam-se recursos de pontes, hidrelétricas, colégios, hospitais.  Escondem a vergonha em cuecas, meias, malas-pretas e fingem que o mundo assim gira e, portanto nada podem fazer se não houver acordos.

Desafiam nossa inteligência mandando e negando recursos milionários aos grandes paraísos fiscais… prefiro me referir a eles como infernos fiscais, porque pela concepção da palavra, me recordo de coisas perfeitas criadas por Deus e não por coisas mundanas materialistas ilícitas e invariavelmente conseguidas as custas de sofrimento e dor.

Não estou me preocupando neste instante com coisas menos representativas nem me preocupando com qual justiça vai prevalecer… no ponto de partida presumo que há apenas uma Justiça e o que nos resta é sermos o menos injustos possíveis, na medida das nossas imperfeições.

Também não vou repetir discursos que não trazem eco ou efeito práticos, pois o futuro já chegou tão rápido quanto nossa incapacidade enquanto cidadãos de mudarmos nossas cidades combalidas, nossos estados corruptos ou nosso país falido por tantos filhos que tratam o bem-comum como próprio e giram a máquina robusta ineficiente e obsoleta por outros chamada de Estado.

Pela origem da palavra o estado é a forma como as coisas são, e não tenho como discordar da máxima que temos o governo que merecemos e por isso as coisas são, ou o Estado é, exatamente desse jeito.

Para o estudo de caso em seguida, vamos tomar por base uma cidade, analisar sua estrutura, seu orçamento, sua máquina burocrática de consumir os impostos dos cidadãos e seus projetos para o futuro. Veremos a mudança de governos e de siglas no poder e veremos também os impactos cada vez mais irresponsáveis na educação, na saúde, na segurança urbana, na qualidade de vida, pra não falar de outras consequências no meio ambiente (ia dizer inteiro ambiente, mas a realidade está mais para o quarto de ambiente), nas relações humanas e na perspectiva de vida das pessoas.

Suponhamos uma cidade imaginária próxima de um grande centro urbano e que tenha características de cidade-dormitório, com uma produção de riquezas baseada em serviços e numa concentração pequena de indústrias de base que sustentam outros tantos moradores de subúrbios no entorno. Suponhamos também, que a dependência econômica do grande centro urbano seja agravada pela dificuldade viária e pela insegurança urbana que são consequências próximas dessa realidade.

Coloquemos alguns agravantes geográficos que facilitam a construção de casas em locais de risco e que permitam a favelização dos cartões postais e das proximidades das áreas ditas nobres.

Vamos incluir 5 ou 6 gerações de governadores ou prefeitos que nunca se preocuparam com as grandes questões sociais a não ser nas proximidades dos pleitos onde são, sucessivamente, elevados ao status de mártires do povo…

Vamos temperar essa história com algumas pitadas de professores mal remunerados, policiais estressados, hospitais decadentes, escolas despreparadas, Instituições burocráticas, serviços de transporte em massa péssimos e insuficientes para acomodar aqueles que lutam pra sobreviver na selva urbana.

Some-se a isso uma grande parcela da população vivendo com recursos insuficientes para ter a tranquilidade e expectativa de um sistema de previdência e saúde falidos onde, nem aposentados poderão estar, nem tampouco contar com assistência médica com qualidade mínima para sobrevida.

Mas nem tudo é tragédia, afinal de contas a costa brasileira é sem dúvida nenhuma a mais linda e rica que existe nesse ou em outros planetas. E temos o Maracanã, a Copa do Mundo, a Olimpíada, o orgulho da seleção canarinho. Temos também muito samba. Embora hoje em dia nem o futebol nem o samba respondam à altura das glórias do passado.

E nem assim aprendemos… A praia num domingo de sol nos redime de todo e qualquer infortúnio e água ainda não poluída nos enche de vida e a alegria de um corpo bronzeado nos permite esquecer todo o resto que nos circunda.

Não gosto nem de reunião de condomínio, não gosto de reuniões de empresa com mais de duas pessoas, não gosto de reunião de pais no colégio dos meus filhos, não gosto de multidões irracionais que concordam sem pensar no mal que há na falta de conflito de ideias.

Mas nem por isso saio de cena. Acho que nos sujeitamos demais às regras que nos foram inventadas para promover o mundo tal como ele é. Sou a favor de ordem e do progresso, mas há muito que esses dizeres não empolgam, nem ao menos na nossa bandeira.

Quando vejo o esporte como alternativa para construirmos nosso futuro, vejo a reboque a formação de indivíduos completos, física, psíquica, espiritualmente. Vejo possibilidades e igualdades sendo praticadas e com isso refletido no meio que estamos.

Acontece que o esporte que liberta traz rivalidades históricas e deliciosas, mas traz também rivalidades bélicas, monstruosas e vergonhosas.  Mas é mais fácil dizer que todos nossos problemas se restringem à corrupção política e a falta de oportunidades e de recursos que dela advém. Resta-nos sentarmos sobre a cadeira do conformismo e nos esbaldarmos no banquete da infelicidade enquanto não damos nem migalhas para o caminho justo e incorruptível ao qual devíamos nos embrenhar.

Filosofia pura não enche barriga, não diminui a fome por injustiça mascarada de justiça, não resolve diferenças nem tampouco sobrevive aos ataques corporativistas das bancadas engravatadas e endinheiradas.

Não traz apelo às massas nem sobrevive nas ondas dos intelectuais.

Filosofia não serve para dar segurança aos nossos filhos nem inventaram uma pílula para acabar com o sofrimento de quem não tem o que comer ou oportunidade para marchar no crescimento sustentável, seja lá o que isso significar.

Filosofia serve como um cachimbo, que dá ao homem sábio tempo para pensar, e ao idiota algo para colocar na boca (não fui eu quem disse isso primeiro.. .)

Sendo assim, ou partimos para a prova prática, ou fechemos o livro e vivamos num mundo que ruma sem rumo aos dias em que não mais vivamos e sim sobrevivamos ao mundo que escolhemos viver. Pura filosofia…

Sei que estou com um discurso meio infestado de imparcialidade pela raiva absoluta que me faz abandonar os noticiários antes do “boa noite”. Não existe hipocrisia maior que um sorriso após incontáveis, mas sucessivas, histórias descabidas e escabrosas, para nos fazer ninar e sonhar com catástrofes e nos conformar com o mundo que nos é apresentado. BASTA!!!  E já disse isso em outro livro.

 

Mauricio

Prefácio de um livro ainda em produção

Um comentário sobre “CARTA ABERTA 005 – DE TRAGÉDIAS EM TRAGÉDIAS

  1. Karina disse:

    Continue provocando o diálogo e o questionamento, quem pergunta encontra respostas e o que luta, encontra a vitoria!
    Beijos de sua esposa orgulhosa

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: