A lei é falha, frustra, mas tem no seu espírito, a proteção dos direitos fundamentais.
O problema é que tem sempre (pelo menos) dois lados para ver o mundo. O lado de quem é protegido pela lei e o outro lado de quem é obrigado a cumpri-la. Sinto que estou sempre do lado que carrega o piano… Mas já disse que a vida não é justa e não adianta querer que ela seja injusta a meu favor!

Não devemos aplicar a leis para fazer Justiça e sim fazer a Justiça através (e apesar) das leis.

A lei é dura e deve ser cumprida, não discuto isto. mas o sábio ditado já nos faz pensar a respeito: “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”.

Desde a mais tenra idade, nós deseducamos nossos filhos sobre a noção de cidadania e isto, no meu modo de ver, torna a lei (em minúsculo, mesmo a magna lei) tão distante da JUSTIÇA (em negrito, caixa alta e itálico). Precisamos ensiná-los e reverenciar a Justiça e cumprir as leis. Mas elas precisam ser mais simples, mais objetivas.

Por que o complicado torna-se tão essencialmente associado ao necessário?

O complicado justamente traz as brechas necessárias para o descumprimento ou a inaplicabilidade. O Executivo quer fazer leis, o Legislativo quer julgar e o Judiciário, neste desequilíbrio de poderes, quando não está de recesso, julga os desmandos do primeiro e os abusos do segundo. E ainda tenta criar as próprias leis…

Não estamos vivendo uma crise das instituições da democracia, mas uma crise de eficiência dos poderes. E nunca antes na história deste país, o quarto poder executou um papel ao mesmo tempo confundindo, e fiscalizando os próximos supostos escândalos… A imprensa nunca pode perder este papel, mas as nossas relações sociais existentes nas nossas redes, precisam, cada vez mais, fiscalizar a abrangência deste quarto poder e movimentar os demais três poderes.

Por isso, acredito na existência deste novo quinto poder (nós e nossos relacionamentos sociais, conectados ou não, nas diversas redes das ondas na internet) e convido a todos a participarem mais ativamente daquilo que acreditam. Ou isso, ou entregamos as chaves…

*   *   *

Um comentário sobre “061 – A Justiça e as leis e o quarto e o quinto poderes

  1. Lara ferraz disse:

    justica é um conceito que habita no nosso imaginário como um estado social ideal, algo que venha a ser razoável no contexto de sociedade, e que precisa ser instituído como forma de percebê-lo. A lei é para aqueles que não as cumpre, que negam a existência um “poder orientador” que dita a norma de conduta de determinado grupo, mas, também vem em defesa daqueles que são atingidos por essa desobediência como forma de proteção aos valores essenciais.
    Instituímos por delegação, o exercício dessa justiça à Instituições que burocraticamente se perderam na complexidade das relações sociais e por si só não conseguem perceber a beleza do desenvolvimento humano. Precisamos nos empoderar dessa responsabilidade e atuarmos como um único organismo, nós (por meio de nossos métodos) e eles ( com seu engessamento pretérito).
    Utopia? Talvez! Preciso crer de que somos capazes de acreditar em nós mesmos!!!!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: